terça-feira, 6 de dezembro de 2016

LECTIO DIVINA

Maranata (Mt 18,12-14)

— O que é que vocês acham que faz um homem que tem cem ovelhas, e uma delas se perde? Será que não deixa as noventa e nove pastando no monte e vai procurar a ovelha perdida? Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quando ele a encontrar, ficará muito mais contente por causa dessa ovelha do que pelas noventa e nove que não se perderam. Assim também o Pai de vocês, que está no céu, não quer que nenhum destes pequeninos se perca.

Iniciemos o dia nos colocando diante do Senhor e, iluminados pelo Espírito Santo, deixemos que as palavras do texto proposto para hoje sejam fonte que jorra para a vida eterna e satisfaçam nossa sede de plenitude.

Inicialmente, sinto uma estranheza com a fala de Jesus, pois estou acostumado com o dito popular que diz: mais vale um pássaro na mão que dois voando.
Nós fomos treinados, desde pequenos, para sermos muito cautelosos em nossas decisões, daí temos dificuldade de compreender como um pastor deixa noventa e nove ovelhas para procurar uma única que se perdeu. E se, na sua volta, algum lobo tiver atacado o rebanho de noventa e nove que ficou para trás? O pastor poderia, primeiramente, conduzir as noventa e nove ovelhas para um lugar seguro e, somente depois disso, buscar aquela que se perdeu. Porém, o que Ele faz é deixar as noventa e nove pastando por uma única que está perdida.


Percebo, Senhor, neste seu ensinamento, duas coisas muito importantes e que nos trazem muito alento. A primeira delas é o grande amor de Deus para cada um de nós, revelado em seu desejo de que todos estejam juntos, participando da mesma festa. Em segundo lugar, a urgência de Deus em nos encontrar. Não há tempo a perder! O Pastor sai à nossa procura imediatamente.

Sou de uma família numerosa, de oito filhos. Lembro-me bem que assim acontecia em nossa casa. Quando um dos filhos adoecia, minha mãe parecia deixar todos os outros de lado para cuidar, com especial carinho e atenção, daquele adoentado. Sua alegria era enorme quando a criança se recuperava. Olhando por este lado, percebo a imagem de um Deus Pai (mãe) que está sempre atento às mínimas necessidades de seus filhos, assim que elas surgem.

Muitas vezes, Senhor, nós não nos damos conta de sua presença ao nosso lado. Ficamos tão absorvidos e acabrunhados em nossos problemas, que nos esquecemos de que, com o Seu auxílio, podemos resolver tudo com muito mais facilidade. Por outro lado, ficamos tão envaidecidos com os elogios e o sucesso, que nos perdemos em nós mesmos e nos afastamos muito de seu rebanho. Por isso, é uma alegria ler estas palavras que nos fazem lembrar de seu auxílio constante, a fim de não nos perdermos ou cairmos nas tentações.
Nossa tarefa para hoje é perceber, em cada detalhe, a presença e o cuidado de Deus para conosco, sempre buscando nos resgatar de onde nos encontramos perdidos, seja por meio de sinais vindos da natureza ou, principalmente, de pessoas, próximas ou não, que nos dizem ou fazem algo que nos chama a atenção, que nos comove e, muitas vezes, nos causa o desconforto necessário para sairmos da zona de segurança que nos impede de crescer.

Senhor, vivendo este tempo do Advento, no qual nos preparamos para festejar sua vinda e sua coabitação entre nós, nos alegramos, ainda mais, por saber que o Senhor mesmo cuida de cada um de nós, assim como nos diz a primeira leitura de hoje: “Como um pastor cuida do seu rebanho, assim o Senhor cuidará do seu povo; ele juntará os carneirinhos, e os carregará no colo, e guiará com carinho as ovelhas que estão amamentando” (Is 40,11).  Por isso, repetimos insistentemente: Maranata. Vem, Senhor! Amém!
***
João Batista Pereira Ferreira – Família Missionária Verbum Dei – Belo Horizonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário