segunda-feira, 13 de abril de 2015

Deus e a Kriptonita

Tem gente que confunde Deus com o super-homem! Zoeira? Nem um pouco. Tem um terremoto e já se perguntam: “onde estava Deus que não impediu?”

Acontece alguma morte e a famosa frase “foi vontade de Deus…” surge de uma forma incrível. No mínimo escutamos uma dezena de vezes esta frase, que não consola em nada, pelo contrário cria uma nóia quanto a Deus e parece que Ele estava comendo um Mac lanche feliz na esquina e “resolveu” não agir e deixar o cara bater as botas.

Pense bem. Você se relaciona com Deus ou com o super-homem?

Hommer Simpson em um dos episódios do seu seriado, num momento de desespero olha para o céu estrelado e diz: “Eu sei que eu nunca fui um sujeito muito religioso, mas caso você exista, ME AJUDE SUPERMAN!”.

É isso, ele disse o que muita gente pensa e não diz.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Passos para a Cura Interior


Todos nós temos necessidade de Cura Interior…
Passos para a Cura InteriorNeste meu tempo de caminho em Deus estou convencido de que um dos fatores mais importantes que precisamos viver em nossa vida é o processo deCura Interior.
Quando trilhamos este caminho de uma profunda Cura Interior vamos descobrindo as fontes dos males mais significativos que nos afligem, e ai precisamos então buscar os meios necessários para que estes males possam ser definitivamente sanados em nossas vidas.
Ainda tenho aprendido com o legado que nos deixou nosso querido Padre Rufus Pereira que por diversas vezes nos ensinou que uma cura espiritual não acontece sem que antes a pessoa passe por uma profunda Cura Interiorpois caso contrario a pessoa poderá continuar em seus hábitos compulsivos de pecados.
Um exemplo muito claro é no caso de um viciado em drogas, será muito difícil ele alcançar a sua cura definitiva a menos que ele seja curado interiormente das causas que o levaram ao vicio das drogas.
Padre Rufus também nos dizia que: “A Cura Interior é uma espécie de chave para a cura total da pessoa. Da mesma forma sem a Cura Interior, não é possível ser curado de doenças físicas, tampouco experimentar a libertação.”
Por isso achei importante destacar alguns passos que poderemos de forma concreta iniciarmos nossoprocesso de Cura Interior.
Uma coisa muito importante quando entramos neste processo de Cura Interior é que nada pode ser desvalorizado ou deixado passar, tudo deve ser levado muito a sério, pois é a partir destes fatos que conseguiremos uma vida em plena liberdade!
Três passos podem ser enumerados para iniciarmos o nosso caminho para a Cura Interior:
- O Primeiro Passo é reconhecer que há uma necessidade de Cura Interior, e descobrir em qual área da sua vida que esta cura precisa atuar. É o momento do diagnostico. É necessário que a pessoa se observe, observe a sua vida, procure também outras pessoas para ajuda – lá e conte com a principal ajuda para este diagnostico que é a inspiração do Espirito Santo.
E você pode se perguntar: Como descobrir o problema que de fato eu tenho?
A resposta, encontramos na própria medicina, naquilo que vemos nos consultórios médicos.
A nossa primeira atitude é pararmos e examinarmos todos os sintomas que trazemos que possam estar ligados aquilo que entendemos que seja o nosso problema. É importante que os sintomas físicos e emocionais sejam também examinados. É necessário averiguar sintomas como: cansaço, tristeza, inveja, ciúmes, raiva, desânimo, angustias, e assim por diante, pois estes sintomas facilitam a identificação do problema.
É necessário um cuidado com o diagnostico para o conhecimento do todos os sintomas.
O segundo passo é remover os bloqueios para a Cura Interior. Para se chegar a Cura é necessário um diagnostico correto dos sintomas emocionais relacionados no primeiro passo.
Padre Rufus nos ajuda dizendo que, a experiência indica que existem quatro principais sintomas emocionais na qual precisamos ir a fundo e entendermos pela qual destes sintomas emocionais estão surgindo os sintomas físicos ou mesmo emocionais do diagnostico do primeiro passo.
São eles:
- Sentimento de Rejeição: Geralmente ele acontece em nossos relacionamentos com outras pessoas, sendo mais acentuado quando estas pessoas nos são muito próximos ou temos algum tipo de laço de sangue com ela.
A rejeição acontece quando sentimos que não somos amados ou respeitados por quem nos é importante e por quem amamos. Isso não significa que de fato estas pessoas não nos amem ou nos faltem com respeito, mas nós nos sentimos assim, não sentimos esse amor.
Queríamos que estas pessoas que nos são tão queridas nos olhassem de outra forma, tivessem outras atitudes conosco; queríamos de fato sentir um pouco de amor por parte destas pessoas.
Não devemos culpar ninguém por isso, isso é muito importante dentro do nosso processo de cura.
- Sentimento de Inferioridade: Este sentimento diz do relacionamento com nós mesmos. Geralmente quando vivemos o processo de comparações. Comparações com os irmãos, com colegas de escola ou até mesmo com outras pessoas. “Você não é tão inteligente como seu irmão”, “Você é muito lento, vou pedir para outra pessoa fazer isso…”ou ainda palavras do tipo: ” Você é burro….Você é incapaz de fazer isso…”
Com isso começamos a nos ver de maneira inferior as pessoas, a termos uma autopiedade e pode – se chegar ao sentimento de ódio contra mim mesmo, e ainda em seu extremo a autodestruição.
- Sentimento de Culpa: Este sentimento geralmente nasce quando cometemos muitos erros e sentimos que por causa destes erros nem Deus nos perdoará, e deixará de nos amar. O sentimento de culpa é algo terrível! É algo que se não cuidarmos ele pode levar a graves consequências, Conheci pessoas que tiveram o desejo de se matar por se sentirem culpadas por algo e não se perdoarem. O Sentimento de culpa pode facilmente levar uma pessoa a depressão profunda.
A Bíblia nos ensina que: “Se vossos pecados forem vermelhos como escarlate, ficarão brancos como a neve” (Is 1,18)
Em Jeremias é dito: “Já terei perdoado suas culpas, de seu pecado nunca mais me lembrarei.” (Jr 31, 34)
E ainda São Paulo nos diz: “Em Cristo Jesus não há mais condenação.” ( Rm 8, 1-2)
- Sentimento de Medo: Não diz respeito a medos comuns que provêm de situações adversas que nos acontece. Mas diz de medos sem uma certa lógica, sem razão, como por exemplo, o medo do escuro, medo de doenças como câncer, a Aids, medo de estar no meio de uma multidão, medo da solidão, medo até mesmo de respirar por causa das bactérias no ar.
E como este medo chega em nosso vida? Geralmente por aquilo que escutamos de outras pessoas, e então começamos a ter estes medos. Escutamos certas coisas, determinados assuntos, e isso entra em nossa mente com uma força que nem conseguimos controlar.
Por isso a bíblia repete mais de 360 vezes: “Não tenhais medo. Nada temais.”
Estas são as quatro principais áreas que precisam de Cura Interior. Por isso é necessária a oração e a luz do Espirito Santo para que iluminando as áreas escuras de nossa vida possamos identificar a causa dos problemas que hoje trazemos.
E chegamos exatamente no terceiro passo que é a oração: Identificados os sintomas e discernidos de onde estão surgindo, é o momento de rezarmos e pedirmos a Deus pela nossa cura, pela cura da nossa historia. É necessário permitirmos que Deus por meio do Espirito atue livremente em nós para nos curar.
Resumindo: Precisamos diagnosticar as realidades na qual nos cercam, sentimentos e emoções, nosso fisico, sensações….Precisamos com muito cuidado fazermos uma averiguação se estes sintomas estão ligados ao Sentimento de Rejeição, ao Sentimento de Medo, Sentimento de Inferioridade ou ao Sentimento de Culpa.
Identificados de onde provém estes sintomas é o momento de rezar! Rezar à luz do Espírito Santo para que Ele visite estas áreas de nossas vidas e nos Cure e Liberte.
É importante dizer que não é algo simples, e que é feito somente uma vez. Este processo é por vezes um processo árduo que exige de nós esforço e dedicação.
Já temos um bom material para iniciarmos a nossa caminhada rumo a nossa Cura Interior. Não vamos esquecer que isso exige muito esforço e querer da nossa parte. Deus nada fará se não fizermos o mínimo que cabe a cada um de nós!
Espero que você possa partilhar os resultados desta sua busca!
Rezem também por mim e por tudo aquilo que o Senhor quer para mim ok!?
Deus o abençoe!
Fonte: CANÇÃO NOVA

Ressuscitou!



1303661622654_fToda a nossa alegria e esperança estão na Ressurreição do Senhor; por isso a Páscoa é a maior festa do calendário litúrgico. A ressurreição do Senhor é a garantia da nossa ressurreição para a vida eterna em Deus, quando então, como nos assegura São Paulo, “Deus será tudo em todos” (1 Cor 15,28).
Cristo passou pela morte para destruir a nossa morte e ressuscitou para nos dar uma nova vida, pois: “Todo aquele que está em Cristo, é uma nova criatura. Passou o que era velho; eis que tudo se fez novo!” (2 Cor 5,17).
Pelo batismo, o Senhor aplica a cada um de nós a salvação que Ele nos conquistou. Por isso, esse é o primeiro sacramento a ser ministrado a cada fiel. Ensinou-nos o apóstolo: “Ou ignorais que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo, para que como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do pai, assim nós também vivamos uma vida nova” (Rm 6,3-4).
São Paulo deixou muito clara essa verdade essencial da nossa fé, ao repetir aos colossenses: “Sepultados com Ele no batismo, com Ele também ressuscitastes por vossa fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos” (Cl 2,12).
No batismo nosso homem velho, escravo do pecado e do demônio, foi pregado na cruz santa do Senhor, morreu e, então, saiu da água ressuscitado. Ali foi cancelado “o documento escrito contra nós, cujas prescrições nos condenavam. [O Senhor] aboliu-o definitivamente, ao encravá-lo na Cruz” (Cl 2,14). Por isso disse o Apóstolo: “Somos cidadãos dos céus. É de lá que ansiosamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará nosso mísero corpo tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso” (Fl 3,20).
Que maravilha! Nosso corpo será semelhante ao corpo glorioso do Senhor ressuscitado! Que mais poderemos desejar? É em vista disso que São Paulo bradou aos incrédulos: “Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e também é vã a nossa fé” (I Cor 15,14). E mais, disse ele: “Se é só para esta vida que temos colocado a nossa esperança em Cristo, somos, de todos os homens, os mais dignos de lástima” (I Cor 15,19).
A ressurreição do Senhor é a garantia da nossa. O apóstolo nos ensinou que “semeado na corrupção, o corpo ressuscita incorruptível; semeado no desprezo, ressuscita glorioso; semeado na fraqueza, ressuscita vigoroso” (1 Cor 15,42b-43). E, quando isto acontecer, disse o Apóstolo: “Quando este corpo corruptível estiver revestido da incorruptibilidade […] então se cumprirá a palavra da Escritura: “A morte foi tragada pela vitória” (Is 25,8). “Onde está ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (Os 13,14)” (1 Cor 15,54-55). Cristo, com a Sua morte, destruiu o aguilhão (o ferrão) da morte, que é o pecado (cf. I Cor 15,56-57). Essa é a essência da nossa fé.
Com toda a diligência os Apóstolos anunciavam ao povo a ressurreição do Senhor. Já em Pentecostes, cinquenta dias depois da Páscoa, Pedro lhes dizia: “A este Jesus, Deus o ressuscitou: do que todos nós somos testemunhas” (At 2,32). “Vós o matastes crucificando-o por mãos de ímpios. Mas Deus o ressuscitou, rompendo os grilhões da morte” (At 2,23b-24a). Na casa de Cornélio, Pedro repetiu: “Eles o mataram, suspendendo-o num madeiro. Mas Deus o ressuscitou ao terceiro dia, e permitiu que aparecesse (…) às testemunhas que Deus havia predestinado , a nós que comemos e bebemos com ele, depois que ressuscitou” (At 10, 39b-41).
Em vista de tudo isso São Paulo advertiu: “Se, portanto ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra. Porque estais mortos e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Cl 3,1-3).
Essa é a dimensão nova que a ressurreição do Senhor deve trazer à nossa vida “É hora de deixarmos de lado o homem velho com os seus vícios: ira, maledicência maldade, inveja, ciúme, palavra torpe, soberba, vaidade, luxúria, preguiça, etc., e buscarmos os frutos do Espírito Santo: amor alegria, paz, bondade, paciência, mansidão, confiança, autodomínio” (Gl 5,19-22). E, acima de tudo, como disse o apóstolo: “Revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição” (Cl 3,14).
A Igreja não tem dúvida em afirmar que a Ressurreição de Jesus foi um evento histórico e transcendente. No n.639 o Catecismo afirma: “O mistério da Ressurreição de Cristo é um acontecimento real que teve manifestações historicamente constatadas, como atesta o Novo Testamento. Já S. Paulo escrevia aos Coríntios pelo ano de 56: “Eu vos transmiti… o que eu mesmo recebi: Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras. Foi sepultado, ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras. Apareceu a Kefas, e depois aos Doze” (1Cor 15,3-4). O apóstolo fala aqui da viva tradição da Ressurreição, que ficou conhecendo após sua conversão às portas de Damasco.
O primeiro acontecimento da manhã do Domingo de Páscoa foi a descoberta do sepulcro vazio (cf. Mc 16, 1-8). Ele foi a base de toda a ação e pregação dos Apóstolos e foi muito bem registrada por eles. São João afirma: “O que vimos, ouvimos e as nossas mãos apalparam isto atestamos” (1 Jo 1,1-2). Jesus ressuscitado apareceu a Madalena (Jo 20, 19-23); aos discípulos de Emaús (Lc 24,13-25), aos Apóstolos no Cenáculo, com Tomé ausente (Jo 20,19-23); e depois, com Tomé presente (Jo 20,24-29); no Lago de Genezaré (Jo 21,1-24); no Monte na Galiléia (Mt 28,16-20); segundo S. Paulo “apareceu a mais de 500 pessoas” (1 Cor 15,6) e a Tiago (1 Cor 15,7).
S. Paulo atesta que Ele “… ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, e foi visto por Khefas, e depois pelos Onze; depois foi visto por mais de quinhentos irmãos duma só vez, dos quais a maioria vive ainda hoje e alguns já adormeceram; depois foi visto por Tiago e, em seguida, por todos os Apóstolos; e, por último, depois de todos foi também visto por mim como por um aborto” (1 Cor 15, 3-8).
“Deus ressuscitou esse Jesus, e disto nós todos somos testemunhas” (At 2, 32). “Saiba com certeza toda a Casa de Israel: Deus o constituiu Senhor (Kýrios) e Cristo, este Jesus a quem vós crucificastes” (At 2, 36). “Cristo morreu e reviveu para ser o Senhor dos mortos e dos vivos”(Rm 14, 9). No Apocalipse, João arremata: “Eu sou o Primeiro e o Último, o Vivente; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos, e tenho as chaves da Morte e da região dos mortos” (Ap 1, 17s).
A primeira experiência dos Apóstolos com Jesus ressuscitado, foi marcante e inesquecível: “A paz esteja convosco!” “Vede minhas mãos e meus pés: sou eu”! “Apalpai-me e entendei que um espírito não tem carne nem ossos, como estais vendo que eu tenho”. Apresentaram-lhe um pedaço de peixe assado. Tomou-o então e comeu-o diante deles”. (Lc 24, 34ss)
Os vinte longos séculos do Cristianismo, repletos de êxito e de glória, foram baseados na verdade da Ressurreição de Jesus. Afirmar que o Cristianismo nasceu e cresceu em cima de uma mentira e fraude seria supor um milagre ainda maior do que a própria Ressurreição do Senhor.
Por Cristo ressuscitado milhares de fiéis enfrentaram a morte diante da perseguição dos judeus e dos romanos. Multidões foram para o deserto para viver uma vida de penitência e oração; multidões de homens e mulheres abdicaram de construir família para servir ao Senhor ressuscitado. Sua Igreja já sobrevive por 2000 anos, vencendo todas as perseguições. Já são 266 Papas, 21 Concílios Ecumênicos, e hoje são cerca de 4 mil bispos e 416 mil sacerdotes e 2 bilhões de fiéis. E não se trata de gente ignorante ou alienada; muito ao contrário, são universitários, mestres, doutores. “Eis que estou convosco todos os dias [Ressuscitado!] até o fim do mundo!” (Mt 28,20).
Prof. Felipe Aquino
Fonte: CANÇÃO NOVA

quarta-feira, 8 de abril de 2015

#LECTIO DIVINA

Coração em brasa e olhos abertos (Lucas 24,13-35)...
“Naquele mesmo dia, dois dos seguidores de Jesus estavam indo para um povoado chamado Emaús, que fica a mais ou menos dez quilômetros de Jerusalém. Eles estavam conversando a respeito de tudo o que havia acontecido. Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus chegou perto e começou a caminhar com eles, mas alguma coisa não deixou que eles o reconhecessem. Então Jesus perguntou:
- O que é que vocês estão conversando pelo caminho?
Eles pararam, com um jeito triste, e um deles, chamado Cleopas, disse:
- Será que você é o único morador de Jerusalém que não sabe o que aconteceu lá, nestes últimos dias?
- O que foi? – perguntou ele.
Eles responderam:

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Foi por Você!


Sexta-feira Santa

Cristo que foi condenado, flagelado e crucificado. Cristo que não abriu a boca para falar uma só palavra que não fosse a verdade. Por assumir sua verdade de Filho de Deus, e fazer a vontade do Pai foi morto.

Quanta dor, quanta tristeza ao ser abandonado, negado e traído, e sua resposta foi: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.” Diante de tudo isso, a leitura que podemos fazer é que Cristo morreu por amor, simplesmente amor, para que pudéssemos participar da alegria eterna.

Somos convidados, também nós, filhos adotivos , a sermos como Cristo, numa atitude ativa de assumirmos a vontade de Deus para nossa vida, servindo aquele que nos criou, e em contrapartida, bebermos de toda misericórdia que vem de sua morte na cruz.

Que o sangue e a água que jorraram do lado aberto de Cristo quando crucificado nos dêem toda a graça necessária para assumirmos a vontade do Pai e todo amor e misericórdia para lembrarmos que pertencemos ao céu.

Madelin Carboni

Missionária da Canção Nova

Entendendo o Pai Nosso


Jesus ensinou seus discípulos a orar e deixou um modelo de oração que deve ser bem entendida. Mais do que uma “reza” prá ser repetida por “papagaios religiosos” a oração do “Pai nosso” tem lições que vamos ver agora, são 10 itens:

1º - REDENÇÃO - Pai nosso ...
Podemos dizer Pai nosso, porque os que aceitaram Jesus são feitos filhos de Deus. (João 1:12)
 
2º - AUTORIDADE - ... que estás nos céus ...
Ele é o Senhor soberano, criador, todo-poderoso, tem autoridade e nos dá autoridade (Mc. 16:17; Lc. 10:19)
 
3º - ADORAÇÃO - ... santificado seja o Teu nome ...
O Senhor procura verdadeiros adoradores que O adorem em espírito e em verdade. (Jo. 4:23-24). A expressão “Teu nome” se refere a Deus na Sua totalidade, significa Deus em todos os Seus atributos, é a preocupação genuína em dar toda a glória a Deus Pai. (João 8:50).

Reflexão do Dia: Tudo passará

As frustrações que nos fazem chorar…
um dia passarão.
A saudade do ser querido
que está longe, passará.
Dias de tristeza…
Dias de felicidade…
São lições necessárias que, na Terra,
passam, deixando no espírito imortal
as experiências acumuladas.

Se hoje, para nós, é um desses dias
repletos de amargura,
paremos um instante.
Elevemos o pensamento ao Alto,
e busquemos a voz suave
da Mãe amorosa
a nos dizer carinhosamente:
isso também passará…

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Tenho o que preciso, preciso do que tenho

Pense comigo: você diante de sua TV, e o que aparece na telinha é um comercial com uma galera bonita, em um dia de sol, namorando, rindo e curtindo a vida. Ao término da propaganda, aparece algo como: “a vida é hoje!”, “aproveite” ou outro slogan qualquer que traz esta mesma idéia. Tipo: “seja feliz agora tendo isso, por isso, e só custa isso”. Ironia do destino? Não! O público-alvo dos comerciais é justamente o jovem, já que, entre outros fatores, viaja mais, se diverte mais e, por conseqüência, gasta mais.

Sim, realmente somos o alvo deste mercado. Mas fazer o que?

A cada dia uma novidade, a cada dia uma evolução e vitrines com produtos da última hora.

É possível sobreviver?

Acredito que sim. Basta usar da mesma técnica.

Já ouviu falar de custo-benefício?

Ou seja, aquilo que estou comprando realmente vale a pena?

#LECTIO DIVINA

Eu vim para servir (Jo 13, 1-15)
Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido. Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”.Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”.

Reflexão do dia: Quantas vezes

Quantas vezes nós pensamos em desistir,
deixar de lado, o ideal e os sonhos.

Quantas vezes batemos em retirada, 
com o coração amargurado pela injustiça.

Quantas vezes sentimos o peso da responsabilidade, 
sem ter com quem dividir.

Quantas vezes sentimos solidão, 
mesmo cercados de pessoas.

Quantas vezes falamos, 
sem sermos notados.

Quantas vezes lutamos por uma causa perdida.

Quantas vezes voltamos para casa com a sensação de derrota.

Quantas vezes aquela lágrima, teima em cair, 
justamente na hora que precisamos parecer fortes.

Quantas vezes pedimos a Deus um pouco de força, um pouco de luz.

E a resposta vem, seja lá como for, um sorriso, um olhar cúmplice, 
um cartãozinho, um bilhete, um gesto de amor.

E a gente insiste,
Insiste em prosseguir, em acreditar, em transformar, em dividir, em estar, em ser.
E Deus insiste em nos abençoar,

quarta-feira, 1 de abril de 2015

#LECTIO DIVINA

Mt 26, 14-25
Naquele tempo: Um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes e disse: ‘O que me dareis se vos entregar Jesus?’ Combinaram, então, trinta moedas de prata. E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus. No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: ‘Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?’ Jesus respondeu: ‘Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ’O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’.' Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa. Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos. Enquanto comiam, Jesus disse: ’Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair.’ Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: ’Senhor, será que sou eu?’ Jesus respondeu: ’Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato. O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!’ Então Judas, o traidor, perguntou: ’Mestre, serei eu?’ Jesus lhe respondeu: ‘Tu o dizes.’

Ser sentinelas do amanhã: Papa explica o significado do Tríduo

“Não nos limitemos a celebrar a paixão do Senhor, mas entremos no mistério, façamos nossos os seus sentimentos, as suas atitudes, como nos convida a fazer o apóstolo Paulo: ‘Tenhais em vós mesmos os sentimentos de Cristo Jesus’. Assim, a nossa será uma ‘feliz Páscoa’”.

Como não podia ser de outra maneira, o Papa Francisco dedicou a Audiência Geral desta quarta-feira da Semana Santa a falar precisamente sobre o Tríduo da paixão, morte e ressurreição de Cristo, “que é o ápice de todo o ano litúrgico e também o ápice da nossa vida cristã”. Deste modo repassou as celebrações mais destacadas destes dias destacando que todo cristão está chamado a ser “sentinelas da manhã”.

O Pontífice explicou que no primeiro dia se comemora a Última Ceia e o lava pés. “Jesus – como um servo – lava os pés de Simão Pedro e dos outros onze discípulos. Com esse gesto profético, Ele exprime o sentido da sua vida e da sua paixão, aquele do serviço a Deus e aos irmãos”.