quinta-feira, 17 de setembro de 2015

LECTIO DIVINA

Amor e perdão (Lc 7,36-50)
Um fariseu convidou Jesus para jantar. Jesus foi até a casa dele e sentou-se para comer. Naquela cidade morava uma mulher de má fama. Ela soube que Jesus estava jantando na casa do fariseu. Então pegou um frasco feito de alabastro, cheio de perfume, e ficou aos pés de Jesus, por trás. Ela chorava e as suas lágrimas molhavam os pés dele. Então ela os enxugou com os seus próprios cabelos. Ela beijava os pés de Jesus e derramava o perfume neles. Quando o fariseu viu isso, pensou assim: “Se este homem fosse, de fato, um profeta, saberia quem é esta mulher que está tocando nele e a vida de pecado que ela leva.”
Jesus então disse ao fariseu:
— Simão, tenho uma coisa para lhe dizer:
— Fale, Mestre! — respondeu Simão.
Jesus disse:
— Dois homens tinham uma dívida com um homem que costumava emprestar dinheiro. Um deles devia quinhentas moedas de prata, e o outro, cinquenta, mas nenhum dos dois podia pagar ao homem que havia emprestado. Então ele perdoou a dívida de cada um. Qual deles vai estimá-lo mais?

— Eu acho que é aquele que foi mais perdoado! — respondeu Simão.
— Você está certo! — disse Jesus.
Então virou-se para a mulher e disse a Simão:
— Você está vendo esta mulher? Quando entrei, você não me ofereceu água para lavar os pés, porém ela os lavou com as suas lágrimas e os enxugou com os seus cabelos. Você não me beijou quando cheguei; ela, porém, não para de beijar os meus pés desde que entrei. Você não pôs azeite perfumado na minha cabeça, porém ela derramou perfume nos meus pés. Eu afirmo a você, então, que o grande amor que ela mostrou prova que os seus muitos pecados já foram perdoados. Mas onde pouco é perdoado, pouco amor é mostrado.
Então Jesus disse à mulher:
— Os seus pecados estão perdoados.
Os que estavam sentados à mesa começaram a perguntar:
— Que homem é esse que até perdoa pecados?
Mas Jesus disse à mulher:
— A sua fé salvou você. Vá em paz.



Da leitura do trecho do evangelho de hoje, Jesus destaca o valor do amor. O amor supera nossas faltas e os erros cometidos. Tudo é perdoado no  amor!
Duas coisas me chamaram atenção nesta passagem e proponho que as utilizemos para aprofundarmos em nossa oração.
Jesus chama a atenção de Simão para o amor demonstrado pela mulher, citando coisas simples que fazemos quando cuidamos de alguém: água para lavar os pés, perfume para a cabeça e o carinho da acolhida, demonstrado no gesto concreto do beijo. É evidente que a forma extremada com que a mulher demonstra esse cuidado sinaliza o quanto seu coração está tomado pelo amor.
É muito bonito e alentador podermos aprender de Jesus qual é o caminho para o perdão das nossas faltas: deixar que o amor se derrame de nós em gestos de cuidado para com os outros. Simples assim? Bem, é o próprio Jesus que está dizendo neste trecho do evangelho, lembrando sempre que ele disse: “Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quando vocês fizeram isso ao mais humilde dos meus irmãos, foi a mim que fizeram” (Mt 25, 40).
Contudo, há uma segunda coisa que precisamos perceber. Jesus utiliza a lógica inversa, pois a demonstração do amor da mulher, assim como a gratidão dos devedores perdoados, conforme a parábola contada, vêm depois do perdão. Ora, poderemos perguntar, isso está parecendo com o mistério do ovo e da galinha, qual vem primeiro?
A partir desta bela passagem, vamos orar hoje com duas certezas: Deus nos amou primeiro e nos perdoa antes de nosso pedido de perdão. Jesus nos veio anunciar esta grande novidade. Nós amamos e perdoamos a partir do amor e do perdão de Deus.
A mulher que se pôs aos pés de Jesus deve tê-lo seguido durante um tempo, ou ouvido suas palavras cheias de boas novas. Permitiu que as palavras de Jesus invadissem todo seu ser. Ficou tomada da alegria de saber que o Pai esperava por ela, que Ele a amava independentemente de tudo que ela havia feito, que Ele queria restaurar sua dignidade de filha. Deve ter ficado ainda mais encantada porque Ele não fazia acepção de gênero. Ela, mulher, abandonada e ultrajada, era amada por Deus, sem necessidade de ser diferente. Jesus mostrou a ela o rosto do Pai e ela não teve dúvida.
E nós? Quais dúvidas ainda restam em nossos corações? O que nos impede de perceber nossas faltas e aceitar o perdão de Deus? O que nos amedronta e não nos deixa viver a dignidade de filhos de Deus? O que ainda nos prende a conceitos humanos e nos distancia da verdade?
Espírito Santo, ajuda-nos a compreender e aceitar o infinito perdão de Deus e enchei nossos corações com o fogo do vosso amor. Amém!
***
João Batista Pereira Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário