quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Argila...

Você já brincou com argila? Quando eu era pequeno tive várias atividades com argila na escola. Lembro-me de uma vez quando fizemos máscaras no formato de nossos rostos. Era muito gostoso brincar com argila pois nós moldávamos um objeto, um animal, ou qualquer outra coisa segundo nossa vontade. O melhor de tudo era que mesmo depois de pronta nossa obra, ainda era possível melhorar os detalhes, aperfeiçoar aqui e ali.

A argila dependia de minhas mãos e minha criatividade para ser o que era, e se eu a fazia uma pomba, ela nunca tentava ser cachorro. A argila nunca me disse “Isto está errado, não era pra ser assim.”. Não, a argila simplesmente se submetia às minhas mãos. Às vezes a argila se quebrava depois de pronta, mas daí era só molhar um pouco e grudar novamente. E ali estava a minha criação.

Nós também fomos, literalmente, barro na mão do Senhor nos dias da Criação. Todas as outras coisas Deus fez com sua voz, Ele falou e elas existiram. Mas a criação do homem foi a única coisa que Deus fez com suas próprias mãos, do barro. Gastou seu tempo planejando e moldando. Seu projeto especial.

(Gênesis 2:7) “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.”

Ele moldou a você e a mim, da forma que queria. Da maneira que sabia que deveria ser. E, assim como fazemos com a argila ao terminá-la, Ele olhou e contemplou o que fez. Posso imaginar o sorriso de satisfação em seu rosto! E ao imaginar isso sinto-me tão dependente de Suas mãos para qualquer rachadura ou aperfeiçoamento necessário que eu tenha em minha vida.

Não quero dizer ao meu criador como se faz para me concertar. Não é apropriado ensiná-lo como eu devo ser aperfeiçoado, prefiro deixar este trabalho com Ele. Pois sei que o resultado será muito melhor se eu confiar e entregar-me nas mãos dEle.


João Elias Fernandes
Sou João, tenho 23 anos, estudante de engenharia de produção,
Jovem Mariano Vicentino. 
Caicoense, 
Moro em Campina Grande PB, onde estudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário