sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Onde está teu coração aí está teu tesouro

Vivemos na sociedade da urgência, há pressa para tudo, precisamos das coisas para “ontem”. Prazos para cumprir, metas a alcançar… Nada pode esperar. Além disso, nossa agenda está repleta, não há mais espaço para nenhum evento. Então, em meio a tantas atividades e urgências, surge uma pergunta interessante: Quais são nossas prioridades? Estamos sendo fiéis a nossos valores?
Jesus faz uma afirmação contundente logo após nos ensinar a rezar o Pai-Nosso: “Onde está teu coração aí está teu tesouro” (São Mateus 6, 21). Esta afirmativa vai nos ajudar a direcionar nossa vida em meio ao caos que vivemos. Aliás, vivemos ou existimos? Não à toa, Oscar Wilde refletia: “Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existem”.
Muitas vezes, na correria do dia a dia, esquecemos que somos humanos, que temos coração e sentimentos, e o mais importante, sequer lembramos que professamos uma fé. Por isso a afirmação de Jesus: “onde está teu coração aí está teu tesouro”.
Por diversas ocasiões, nosso coração pula de “galho em galho”, isso quando não cria asas e voa longe da base de nossas estruturas fundamentais. A urgência e as atividades cotidianas demasiadas são como que parapentes usados para nos desterrar e nos distanciar dos valores fundamentais. Quantas vezes, nos pegamos longe da confissão e da Eucaristia? Longe da intimidade com Deus e da oração diária? Quantas desculpas esfarrapadas inventamos para deixar de ir à Igreja? Isto demostra que nosso coração já alçou voo há muito tempo desses princípios de vida, tidos como indispensável desde a infância. Assim, a terra habitada por Jesus, em nosso coração, vai ganhando ídolos e mais ídolos. Um programa de TV é mais importante de que a oração de um terço; a partida de futebol se torna prioridade em vista do encontro de jovens na igreja; o video-game substituiu a leitura cristã; as noites de sexta-feira se tornaram rotina e trocamos a doce fragrância de Cristo pelo hálito de cerveja e bebidas alcoólicas. Tudo vai ganhando destaque em nossa vida, e Aquele que deu a vida por nós é colocado em segundo plano.

Corações restaurados

Deste modo, com o passar do tempo, nosso coração assemelha-se a uma caçamba de entulhos na calçada da esquina, nossa vida parece mais divertida, porém, ao mesmo tempo, parece sem sentido algum. Acabamos nos tornando pessoas amarguradas, duras, egoístas e individualistas, pois as ideologias contemporâneas varreram para fora da casa do nosso coração as Palavras de Vida Eterna de Cristo.
Quando sobra um tempinho, olhamos para dentro de nós e percebemos que nossa essência já foi por ralo abaixo há muito tempo, e só pensar em voltar já se torna algo impossível a nossos olhos, pois perdemos as referências, afastamo-nos dos modelos de vida que nos inspiravam. Tornou-se sonho a velha vontade de estar diante do sacrário, de modo que os pensamentos de Chesterton transformaram-se em uma grande utopia: “Um homem viveu, há séculos, no Oriente. E eu não posso olhar para uma ovelha, uma andorinha, um lírio, um campo de trigo, uma vinha, uma montanha, sem pensar n’Ele”. Jesus agora é um estranho, a Sua Palavra é fel e dura, politicamente incorreta.
Diante desta reflexão, quais respostas temos para nós mesmos? O que tem sido nossa prioridade? Sabemos quais são nossos tesouros fundamentais? Quais os valores que tem permeado nossas vidas? Enfim, creio que o ponto de partida de todas essas indagações seja a reflexão acerca da vida, das atitudes, de quanto estamos valorizando o que nos é caro, com a família, os relacionamentos, a vida comunitária, o olhar voltado para Deus. A partir disso, podemos fazer o exercício de, todos os dias, agradecer a Deus pela vida, rezar para que tenhamos objetivos claros em relação à vida em Deus. E lembrar que, antes da afirmativa de Jesus, Ele nos ensinou a rezar o Pai-Nosso. Aí está o ponto de partida perfeito: a oração!
@FilhodaIgreja
http://destrave.cancaonova.com/onde-esta-teu-coracao-ai-esta-teu-tesouro/#sthash.O1ZDhrwh.dpuf





Nenhum comentário:

Postar um comentário