quinta-feira, 29 de agosto de 2013

As faces de Vicente de Paulo #Missionário

Por: Pe. Robert Maloney,CM
Quando ingressei na Congregação da Missão, aos 18 anos de idade, comecei a conhecer Vicente de Paulo como missionário. A imagem que escolhi para representar este rosto é sem dúvida a que mais se vê entre as imagens de Vicente de Paulo. Milhares de pessoas a veem a cada dia, ainda que se diga que os que a enxergam, são poucos os que realmente a veem!
Esta estátua é uma obra de Pietro Bracci (1700-1773) e foi colocada na Basílica de São Pedro depois da canonização de Vicente de Paulo em 1737. Confesso que sinto um certo orgulho quando levo alguns visitantes à São Pedro e lhes mostro nosso fundador na nave principal, ao lado de Tereza D´Ávila.
São vários os aspectos que nos chamam a atenção nesta estátua. Em primeiro lugar, representa claramente a Vicente de Paulo como missionário. Nesta estátua o Vicente de Paulo que se dirige à nós é o Vicente de Paulo pregador. Está vestido com sobrepeliz e estola, tem uma cruz na mão esquerda e mostra com sua mão direita um gesto dramático dirigido à sua plateia. A concha por detrás de sua cabeça amplia o volume de sua voz. Do lado do pé esquerdo encontra-se o livro do evangelho de Lucas onde está escrito: “O Senhor me enviou para anunciar o evangelho aos Pobres” (Lucas 4,18).

Este é o Vicente de Paulo, que comovido pela conversão de um camponês que agonizava nas terras de uma família rica, os Gondi, fez a pregação de um sermão no dia 25 de janeiro de 1617 chamando todos à conversão. Ele sempre viu neste dia o começo de sua atividade missionária e de muitos missionários que ele mesmo enviou mundo afora: Polônia, Itália, Argélia, Madagascar, Irlanda, Escócia, ...
O que podemos falar de Vicente de Paulo como missionário?
1. Para ele a palavra de Deus era algo totalmente central. Isto é o que quer expressar o evangelho ao lado de seu pé esquerdo: “A palavra de Deus não falha nunca”. Ele dizia isto com certa frequência. Para Vicente de Paulo, a palavra de Deus é a regra fundamental da vida humana; é também a fonte de onde brota toda a pregação e todo ensinamento.
2. A cruz é central quando se prega ou se catequiza. Vicente de Paulo cita o impressionante texto de São Paulo: “Deus me livre de gloriar-me, senão na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo” (Gál 6,14; II,339; XI,20). Porém a cruz não ocupou um lugar fundamental somente na pregação, mas também na formação de seus discípulos e seguidores. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário